© 2016 - 2018 Cris Loureiro writes

cris loureiro blogs

diário da vida [página 3]

 

Ela tem vários sonhos guardados na gaveta esquerda da cómoda do quarto, onde dorme com o seu amor. Na mesma gaveta onde coloca as camisolas quentes de inverno. Porquê nessa gaveta? Porque, a seguir a um abraço, não há melhor aconchego que um pouco de lã. Ela trata bem deles mas por vezes esquece-os no agito das vidas, na importância sempre mais importante dos outros e na constante incerteza e medo de falhar. Eles não gritam, não discutem nem chamam a atenção, são filhos disciplinados e silenciosos. Naquela gaveta sente-se o cheiro da esperança tenuemente misturado com o da alfazema do sabonete nela deixado. A luz difusa do abrir e fechar lembra-a que há mais qualquer coisa ali além da camisola quente acabada de lavar. 

 

Mais um dia passa, mais outro e ainda outro, nada acontece de novo, no movimento acelerado e constante dos dias, os filhos, o marido, a casa, a vizinha, o amigo, e tudo se sobrepõe aos seus pequenos tesouros guardados naquela cheirosa gaveta.

 

O curso de italiano, a viagem a Veneza, a carreira de fotografa profissional, a casa junto ao mar, o estúdio na capital,... e a vida que se acabou num sopro. Os filhos abrem a gaveta, sente-se o mesmo cheiro a esperança e alfazema. A mais nova está a estudar em Veneza, o mais velho corre o mundo de câmara fotográfica ao peito, a do meio gere o seu escritório de advogados na capital, o marido vive a sua reforma junto ao mar. Os sonhos sobrevivem-lhe mas ela morreu na esperança de um dia se tornar importante.

 

Os sonhos são imortais mas tu, não!

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now